Home > Invepar > Governança Corporativa > Conselhos, Diretoria e Comitês > Comitês de Assessoramento

Comitês de Assessoramento

Alinhada às boas práticas de governança corporativa, a Invepar possui quatro comitês de assessoramento ao Conselho de Administração. Cabe aos comitês analisar determinadas matérias relacionadas às respectivas áreas de competência e atuação e fazer recomendações ao Conselho de Administração. São eles: o Comitê de Auditoria e Governança; o Comitê de Recursos Humanos; o Comitê de Obras; e o Comitê Financeiro e de Investimentos.

Comitê Financeiro e de Investimento - Tem como atribuição auxiliar o Conselho de Administração na análise e no acompanhamento de investimentos da Invepar. Apresenta análises da conjuntura econômica brasileira e mundial, bem como seus potenciais reflexos nas finanças da organização; examina, discute e formula recomendações ao Conselho de Administração quanto às decisões econômico-financeiras propostas pela Diretoria Executiva; e acompanha a implantação das políticas financeiras e de investimentos aprovadas pelo Conselho de Administração.

Comitê de Obras - Visa auxiliar o Conselho de Administração a analisar e acompanhar as obras previstas nos contratos de concessão de todas as empresas que compõem o grupo Invepar, bem como formular recomendações relativas à contratação de obras propostas pela Diretoria Executiva e pelas empresas controladas.

Comitê de Recursos Humanos - Tem por objetivo assessorar o Conselho de Administração em assuntos como: a definição de metas empresariais e a coordenação de processos de avaliação da Diretoria Executiva do grupo Invepar e de suas controladas; a coordenação do processo de seleção de executivos; a definição do sistema de incentivos, como a remuneração variável atrelada ao cumprimento de metas, por exemplo.

Comitê de Auditoria Interna e Governança - Tem como atribuição apoiar o Conselho de Administração em assuntos relativos a avaliações de risco dos negócios e dos mecanismos internos de controle, bem como supervisionar a adequação e a independência da área de auditoria interna, bem como a recomendação para a adoção de boas práticas de governança corporativa e de gestão.